Pesquisar este blog

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Como me tornei evangélico.

Primeiramente tenho que pedi desculpas por copiar uma idéia que achei interessante de um outro blog, que é essa explicar como me tornei evangélico.
Antes de ser evangélico, já fui católico, espirita e frequentador da Igreja Messiânica do Brasil. Não gosto de criticar as outras religiões, acho errado o que alguns evangélicos fazem, creio que todas as religiões tem erros e acertos. Na verdade para mim a verdadeira religião é o amor universal pela vida, pelo outro, pois se amamos a vida e o outro amamos a Deus, pois a vida foi obra Dele.
Mas o objetivo da postagem não é essa, enfim. As religiões que fui adepto antes, aprendi muito com elas e duvidei de alguns preceitos que me fizeram ser da Igreja Batista.
Antes várias vezes fui convidado, mas sempre iventava uma desculpa para não ir. Até que um dia fui. E vou falar por que gostei da Batista, o que me chamou mais a atenção na minha Igreja é que as pessoas não economizam afeto, coisa que está se tornando rara nos dias de hoje. Outra coisa que me chamou atenção, é que as pessoas cantam, são felizes e me fizeram descrer que religião combina com coisas estáticas, paradas, monotonas.
Sim, vou aproveitar e também dizer porque demorei tanto em tornar evangélico, não gostava como os evangélicos abordavam ( Você aceita Jesus?) , parecendo que quem não é evangélico, não crer em Jesus, segundo , achava que me tornando evangélico iria ficar abititolado, cego, e não gostava de algumas maneiras de se propagar a religião, através de gritos, ou que você vai ter mais dinheiro, o carro do ano etc, e também por causa do dízimo.
Acho que quer buscar a Cristo, deve buscá-lo para conhecer mais a Ele e a sua palavra, não por bens materias, que nada servirão para o Mundo espiritual.
Outra coisa, talvez esteja errado, mas não basta ao homem me julgar que também será julgado e sim Deus, que é maior que tudo.Escuto ainda MPB, rock, música sertaneja e as músicas gospel, apoio algumas coisas que as religiões condenam e tenho amigos adeptos de religiões diferentes da minha, e nem por isso digo que eles estão errados ou que eles tem que ir para a minha igreja para se salvarem. A única coisa que recomendo é ler a Bíblia e que creia em Deus, para aqueles que dizem que não creem, pois isso tudo que está ao nosso redor concerteza foi feito por algo muito maior.

5 comentários:

  1. Eu já fui evangélico da Igreja Batista, alguns anos atrás me afastei. Às vezes, quando posso, oro em meu quarto!!! Não penso em voltar!!!!

    ResponderExcluir
  2. O estilo de vida não pode ser barreira para seguir/acompanhar religião alguma. O importante,é se sentir bem,fazer o bem sem ver à quem aquela coisa de "paz interior"
    .
    Guttwein
    http://bloggalemdoqueseve.blogspot.com/
    .

    ResponderExcluir
  3. Você faz bem em respeitar a religião dos outros, pois não tem nada pior do que aquelas pessoas que se convertem e viram chatas, só falam de religião e tentam te convencer que a dela é a melhor e você está no inferno!
    Parabéns pela bela atitude.

    http://sarapateldecoruja.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Nem me pergunta como vim parar no seu blog pq eu não sei...
    Iinteressente seu depoimento. Até a metade do meu curso na faculdade eu tinha um preconceito idiota (reduntante isso) com evangélicos, provavelmente pelo motivo que vc narrou aí acima: a abordagem feita por ALGUNS. Depois convivi com amigos evangélicos que não viviam pregando nem tentando me converter, que saiam se divertiam e me aconselhavam, como qualquer amigo, independente de crença.
    Sou cristã mas não sou disciplinada o suficiente pra frequentar nenhuma Igreja seja católica, evangélica, kardecista; as vezes tenho vontade e sinto saudades dos canticos católicos, ouço músicas gospel, oro, creio. Toda igreja enquanto edifício e interpretações a meu ver é humana e acho que a gente precisa de um ponte entre o humano e o divino muitas vezes mas sempre achei que me inserir em algum grupo religioso seria me limitar minha crença em algo mais amplo.
    O fato de eu ser cristã não me faz descrer nos orixás ou nas forças naturais admiradas nas religiões de matriz africana, simpatizo, simpatizo muito, principalmente depois do curso de história. Então ser religioso é ser moralmente firme. Não moral no sentido de conduta consigo e com os demais.
    :)
    beijos... aparecerei por aqui mais vezes.

    ResponderExcluir